Você é seguidor(a) de N°

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

[política] Curtas

Dilma é eleita presidente do Brasil
Eleita com 56% dos votos válidos, Dilma Rousseff destacou ontem em seu pronunciamento após a vitória o fato de ser a primeira mulher presidente do Brasil e disse que sua eleição é uma demonstração do avanço democrático do país. “Gostaria muito que os pais e mães de meninas olhassem hoje nos olhos delas, e lhes dissessem: sim, a mulher pode.” De acordo com reportagem da Folha, Dilma afirmou estar “muito feliz”. ” É uma sensação de muita força e muita alegria. Estou muito feliz e agradeço aos brasileiros e brasileiras por esse momento.” A petista recebeu mais de 55 milhões de votos dos 105 milhões registrados nesta eleição. A abstenção foi de 21,44%. Entre os eleitores, 2,31% votaram em branco e 4,40%, nulo.

Serra elogia Alckmin, ignora Aécio e diz que luta está no começo
O candidato derrotado à Presidência da República, José Serra (PSDB), disse ontem durante discurso no comitê de campanha em São Paulo que o “povo” não quis que sua eleição fosse “agora” e se despediu do eleitor com um “até logo“. “Minha mensagem de despedida nesse momento não é um adeus. Mas é um até logo. A luta continua”, disse. De acordo com reportagem do Estadão, Serra citou a vitória de dez governadores do PSDB nas urnas e falou, especialmente, de Alckmin, com quem manteve relação conflituosa no passado, mas não citou o senador eleito por Minas Gerais Aécio Neves.

Oposição comandará 52,3% do eleitorado brasileiro
O resultado do segundo turno mostra que posição, composta por PSDB e DEM, administrará 52,3% do eleitorado brasileiro. De acordo com reportagem da Folha, apesar de derrotado na corrida à Presidência, o PSDB saiu das eleições como o campeão na disputa pelos Estados, com oito vitórias. A legenda terá quase metade do eleitorado brasileiro sob sua administração – 64,2 milhões, o equivalente a 47,5% do total. Segundo o jornal, o resultado está acima dos prognósticos mais otimistas feitos pelo comando do partido no início da campanha, que esperava era faturar no máximo seis Estados.

Imprensa internacional destaca vitória de Dilma
Jornais de todo o mundo repercutiram a vitória da presidente eleita Dilma Rousseff. O jornal americano New York Times citou que Dilma terá de terminar algumas tarefas “monumentais” que Lula deixou inacabadas como arrumar o sistema educacional, melhorar os padrões de saúde e saneamento. A revista britânica The Economist afirmou que “não houve surpresas” no resultado da eleição e que Dilma, apesar de nunca ter concorrido a um cargo público, construiu sua vida política “nos bastidores”. O jornal espanhol El País destacou que Dilma se converterá, aos 62 anos, na primeira presidente mulher do Brasil, e que “terá pela frente uma tarefa formidável em um dos países que melhor representa a emergência de novas potências mundiais”. O jornal francês Le Monde chamou a petista de “herdeira de Lula” e que ela apostou, durante a campanha, no balanço econômico dos anos de Lula, que registraram um crescimento espetacular, permitindo que milhões de brasileiros saíssem da pobreza.

Lula defende manter Guido Mantega e Henrique Meirelles no governo Dilma
Em um dos primeiros conselhos à presidente eleita, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu a permanência do ministro da Fazenda Guido Mantega e do presidente di Banco Central, Henrique Meirelles. De acordo com reportagem da Folha, Lula disse a Dilma que acha que deu certo a “dobradinha” entre Mantega, tido como mais desenvolvimentista, e Meirelles, mais conservador, na crise econômica internacional de 2008 e que a manutenção dos dois sinalizaria uma continuidade que acalmaria o mercado financeiro numa hora de preocupante valorização do real em relação ao dólar.

Nenhum comentário: